MENSAGEM IMPORTANTE 

A Intrum Portugal informa que estão a circular mensagens de correio eletrónico fraudulentas, que não são sua autoria, nem da sua responsabilidade.
Foram detectadas mensagens falsas num português pouco correto e que estão a usar o domínio intrum.pt. Estas mensagens não tem origem na rede da Intrum - intrum.com. Alertamos que não deve reagir a estes emails, devendo eliminá-los de imediato, sem que haja qualquer tipo de interação - não descarregue anexos nem aceda a links. A Intrum está a desenvolver todos os esforços para conter esta situação, incluindo o alerta às autoridades competentes.

Sustentabilidade motiva consumidores a limitar gastos

São sinais de mudança de atitude

57% dos portugueses admite esta tendência

Neste Black Friday, e à medida que a sustentabilidade se torna cada vez mais proeminente na sociedade, de acordo com o estudo da Intrum, European Consumer Payment Report (ECPR) 2019, 42% dos consumidores europeus de 24 países, afirma que "o interesse pela sustentabilidade motivou-me a limitar os gastos".

São sinais de mudança de atitude que, analisando as principais conclusões do estudo anual da Intrum, se confirmam nos resultados especialmente notáveis da Grécia (61% admitem esta preocupação), Eslováquia e Roménia (58%) e Portugal (57%).

No entanto, este argumento da mudança está com uma adesão mais lenta noutras zonas da Europa. No outro extremo da escala, apenas 26% dos consumidores holandeses e 29% dos britânicos dizem que a sustentabilidade está a restringir os seus hábitos de consumo.

O estudo da Intrum observa ainda o impacto das redes sociais nos gastos sustentáveis e não sustentáveis.

Cerca de três em cada dez consumidores europeus (32%) diz que as redes sociais aumentaram a consciencialização sobre a compra de produtos éticos e / ou sustentáveis. Finlândia, Grécia e Portugal ocupam o melhor lugar nesta categoria.

Por outro lado, a influência não saudável das redes sociais também é clara quando se analisa outra resposta ao ECPR: 39% dos europeus concorda com a afirmação de que "as redes sociais criam uma pressão para eu consumir mais do que deveria".

Para obter uma cópia do nosso estudo siga esta ligação.