MENSAGEM IMPORTANTE 

A Intrum Portugal informa que estão a circular mensagens de correio eletrónico fraudulentas, que não são sua autoria, nem da sua responsabilidade.
Foram detectadas mensagens falsas num português pouco correto e que estão a usar o domínio intrum.pt. Estas mensagens não tem origem na rede da Intrum - intrum.com. Alertamos que não deve reagir a estes emails, devendo eliminá-los de imediato, sem que haja qualquer tipo de interação - não descarregue anexos nem aceda a links. A Intrum está a desenvolver todos os esforços para conter esta situação, incluindo o alerta às autoridades competentes.

Portugueses são dos europeus que menos pedem dinheiro emprestado para pagar os presentes de Natal

O mais recente estudo da Intrum concluiu que apenas 7% dos portugueses pede dinheiro emprestado/aumenta o plafond do cartão de crédito para conseguir pagar os presentes de Natal.

  • Portugal é o segundo país europeu onde existe maior preocupação em como pagar os presentes de Natal.
  • Portugal está no top 10 dos países que gasta mais dinheiro em presentes de Natal do que deveria.

O mais recente estudo da Intrum, o European Consumer Payment Report 2019, recolheu dados de mais de 24 mil consumidores, em 24 países europeus, e analisou os seus hábitos e comportamentos de consumo.

A menos de um mês do Natal, as preocupações começam a surgir. “Será que irei conseguir comprar as prendas a tempo?”, “Será que terei orçamento suficiente para conseguir dar os presentes que tinha pensado oferecer”, estes são alguns exemplos de questões que passam pela cabeça dos portugueses quando se aproxima o Natal.

O mais recente estudo da Intrum concluiu que apenas 7% dos portugueses pede dinheiro emprestado/aumenta o plafond do cartão de crédito para conseguir pagar os presentes de Natal. Este valor é bastante positivo sendo Portugal apenas ultrapassado pela Alemanha com 6%. No que diz respeito à média Europeia, esta fixa-se nos 14%, o dobro do que se verifica em Portugal. Sobre esta questão, a República Checa, assume a liderança destacada com mais de metade (51%) a afirmar que pede dinheiro para conseguir pagar os presentes de Natal.

A percentagem de consumidores portugueses que pediu dinheiro emprestado aumentou no último ano, passando de 17% para 27%. Já a média europeia situa-se nos 25%.

O estudo revela ainda que os consumidores portugueses estão entre os que mais se preocupam em como pagar os presentes de Natal, aparecendo em segundo lugar no ranking dos 24 países europeus participantes, com 40% dos inquiridos a expressarem esta preocupação. Apenas a Irlanda nos ultrapassa (42%), expressando uma maior preocupação relativamente a esta temática. As percentagens de Portugal e da Irlanda são muito semelhantes e elevadas, quase o dobro em relação à média europeia que se situa nos 26%.

O estudo, que entrevistou 1000 portugueses, conclui também que Portugal está no top 10 dos países que gasta mais dinheiro em presentes de Natal do que deveria. Com uma percentagem de 28%, Portugal está à frente de países como a Espanha (19%), França (17%) e Itália (13%).

Ainda na sequência deste tema, o ECPR 2019 demonstra que os pais são um público-alvo bastante vulnerável à pressão social, gastando mais dinheiro com os seus filhos do que realmente podem pagar. E para isso, as redes sociais têm um papel fundamental na criação de pressão sobre os consumidores modernos, e não apenas nos pais ou nos jovens. Mais de metade dos portugueses (59%) e 38% dos europeus, de todas as idades, concordam que as redes sociais criam uma pressão para consumir mais do que deviam.

Para conhecer melhor o nosso estudo obtenha aqui uma cópia