MENSAGEM IMPORTANTE 

A Intrum Portugal informa que estão a circular mensagens de correio eletrónico fraudulentas, que não são sua autoria, nem da sua responsabilidade.
Foram detectadas mensagens falsas num português pouco correto e que estão a usar o domínio intrum.pt. Estas mensagens não tem origem na rede da Intrum - intrum.com. Alertamos que não deve reagir a estes emails, devendo eliminá-los de imediato, sem que haja qualquer tipo de interação - não descarregue anexos nem aceda a links. A Intrum está a desenvolver todos os esforços para conter esta situação, incluindo o alerta às autoridades competentes.

Estudo da Intrum revela que portugueses estão a poupar mais para viajar

Na data em que se comemora o Dia Mundial do Turismo, a Intrum procurou perceber os principais motivos de poupança dos portugueses.

O European Payment Consumer Report, estudo da Intrum, revelou que viajar é o segundo maior motivo de poupança para os portugueses (42%), valor superior à média europeia que se situou nos 40%. O principal motivo, tanto para os portugueses (76%) como para os restantes inquiridos europeus (67%) é a poupança para despesas inesperadas.

Poupar para despesas inesperadas e para viajar são os dois principais motivos de poupança para os portugueses ao longo dos últimos quatro anos, revela o estudo da Intrum.

Apesar de 36% dos portugueses afirmar que a sua situação financeira melhorou, o estudo da Intrum demonstrou que, 59% dos portugueses consegue poupar dinheiro mensalmente, valor similar à média europeia. O estudo revela ainda que os portugueses inquiridos conseguem poupar em média 193 euros por mês, valor substancialmente superior ao do ano passado que foi de 80€. A poupança média mensal dos europeus inquiridos é de 255 euros.

Comprar uma viagem a crédito, com um plano de pagamentos ou pedindo dinheiro emprestado, não são opções do agrado da maioria dos portugueses. O último European Payment Consumer revela que apenas 16% dos inquiridos concorda com este método e 66% diz que discorda, valores estes muito alinhados com a média europeia que é de 16% e 64% respetivamente.

Para saber mais sobre o estudo obtenha aqui uma cópia.