MENSAGEM IMPORTANTE 

A Intrum Portugal informa que estão a circular mensagens de correio eletrónico fraudulentas, que não são sua autoria, nem da sua responsabilidade.
Foram detectadas mensagens falsas num português pouco correto e que estão a usar o domínio intrum.pt. Estas mensagens não tem origem na rede da Intrum - intrum.com. Alertamos que não deve reagir a estes emails, devendo eliminá-los de imediato, sem que haja qualquer tipo de interação - não descarregue anexos nem aceda a links. A Intrum está a desenvolver todos os esforços para conter esta situação, incluindo o alerta às autoridades competentes.

European Payment Report 2018

O European Payment Report descreve o impacto dos atrasos de pagamento no desenvolvimento e crescimento das empresas a nível Europeu. Com base nos resultados do inquérito conseguimos entender melhor, como as empresas Europeias encaram os comportamentos de pagamento no seu país.

O European Payment Report descreve o impacto dos atrasos de pagamento no desenvolvimento e crescimento das empresas a nível Europeu. Com base nos resultados do inquérito conseguimos entender melhor, como as empresas Europeias encaram os comportamentos de pagamento no seu país.

Acerca do Relatório

O Relatório Europeu de Pagamentos baseia-se num inquérito realizado simultaneamente em 29 países europeus, entre Janeiro e Março de 2018. Neste relatório, a Intrum reuniu dados de milhares de empresas em toda a Europa, para compreender o comportamento dos pagamentos e a saúde financeira das empresas europeias.

Um resumo do relatório:

O RGPD é desconhecido para mais de 1 em cada 4 empresas europeias - 27% de todas as empresas na Europa declaram não ter ouvido falar sobre o RGPD, segundo o relatório anual European Payment Report 2018 (EPR) da Intrum, onde mais de 9 600 empresas europeias responderam ao inquérito sobre tesouraria e comportamentos de pagamento.

Crescimento da economia reduz perdas por dívidas incobráveis - Como um forte sinal de um desenvolvimento económico estável na maioria da Europa, as empresas estão referir perdas decrescentes de dívidas incobráveis. Em média, 1,7% da receita anual teve que ser foi reconhecida com incobrável nos últimos 12 meses; uma diminuição em comparação com os 2,14 por cento relatados pelas empresas europeias em 2017 e ainda mais abaixo dos 2,44 por cento verificados em 2016.

As PME’s Europeias ainda sobre pressão - 6 em cada 10 das empresas inquiridas afirmam que foram pressionadas a aceitar prazos de pagamento mais longos do que conseguem gerir nas suas operações diárias e mais de metade (56%) admitem ter aceitado essas exigências. O desequilíbrio entre as pequenas e grandes empresas ainda está presente, mesmo quando a média dos inquiridos concordam com a afirmação tenha diminuído um pouco em relação ao ano passado.

Os clientes continuam a pagar com atraso, mas as empresas em toda a Europa parecem estar um pouco mais positivas quando se trata da sua capacidade de lidar com as consequências dos atrasos de pagamento. Dito isto, 28% dos inquiridos enfrentam dificuldades de crescimento devido aos atrasos ou falta de pagamento, e 21% afirmam que não podem contratar novos funcionários porque os seus clientes não pagam a tempo. Isto mostra que todos nós precisamos de continuar a trabalhar para que os pagamentos sejam mais rápidos, uma vez que diminui a vulnerabilidade das pequenas e médias empresas (PMEs). O pagamento dentro de 30 dias deverá vir a ser, a regra de negócios em toda a Europa”. Mikael Ericson, CEO e Presidente da Intrum Justitia AB (publ).

A Directiva dos atrasos de pagamento - Durante vários anos, o relatório European Payment Report analisou o impacto da Directiva dos Atrasos de Pagamento da UE e como é que foi implementada nos vários mercados europeus. O desafio que a Comissão da UE e os reguladores locais enfrentam na implementação desta importante directiva é evidente. Mesmo agora, cinco anos depois de ter sido implementado por completo em todos os países da UE, apenas 28% das empresas inquiridas afirmam conhecer e, dessas, apenas 19% realmente vêem um impacto positivo. Isto é obviamente preocupante, uma vez que a directiva e as suas interpretações locais foram desenvolvidas para proteger as empresas, principalmente as PME’s, e evitar a má conduta evidente na comunidade empresarial.